Uma boa ideia não é tudo.

1 de agosto de 2019 / por Pappo Estratégia e Criação

Sempre fui uma pessoa de ideias. Desde criança, o tempo todo, ideias dos mais variados tipos borbulham na minha cabeça e, por isso, decidi me formar e atuar profissionalmente em uma área em que elas são fundamentais: a publicidade. Porém, depois de formada e de três anos de trabalho em uma agência de publicidade me peguei frustrada e colocando à prova meu desejo de continuar nessa profissão. O motivo? O excesso de ideias.

Toda pessoa criativa na maioria das vezes dá importância demais, supervaloriza as ideias. “Precisamos de uma ideia”, “vamos fazer um brainstorming”, “olha que ideia sensacional” são expressões constantes para nós. Acontece que quanto mais ideias se têm, maior a probabilidade de se deixar o foco de lado e navegar entre as possibilidades criativas. E uma ideia sem foco ou sem a possibilidade de realização será sempre apenas uma ideia. E isso, meu amigo, não vale nada.

Um tempo atrás ouvi a expressão “ideia é commodity”. Oito anos atrás, quando eu ainda era estudante e iniciante na profissão de publicidade, teria odiado essa frase. Hoje não poderia concordar mais. O mundo está cheio de ideias, a cada minuto uma nova surge na cabeça de alguém. Algumas delas poderiam mudar o mundo e solucionar grandes problemas como a fome, falta de água e muitas outras coisas. Porém, no meio de tanta informação e compromissos, as boas ideias acabam se perdendo por falta de dois fatores imprescindíveis: FOCO e CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO.

Pois é, foco! A capacidade de se concentrar em um determinado objetivo (ou ideia) e fazer o que for preciso para sua realização. Ideias no papel, ou perdidas no esquecimento, existem aos montes. O que falta são pessoas focadas e dispostas a partir para ação, e nesse ponto, precisamos ir além. É preciso que a vontade, motivação ou necessidade para agir sejam fortes o suficiente para que exista ação contínua e determinada.

Além disso, é necessário que exista uma capacidade de realização. De nada adianta uma ideia sem recursos, ambiente, e pessoas qualificadas para desenvolver o projeto. Muitas ideias que já tive, individual ou em grupo, a nível pessoal ou profissional, foram jogadas fora simplesmente por incapacidade de realização. Falta de verba do cliente, falta de habilidades específicas ou ambientes com características inviáveis.

É claro que nada substitui uma boa ideia colocada em prática e com bons resultados. Entretanto, uma “ideia média” (ou o arroz e feijão) bem executada também tem seu mérito, principalmente se a boa ideia nunca vem ou é impossível de ser realizada. Então amigo, se você está usando a desculpa da “boa ideia” que não chega e por isso está parado enquanto poderia estar lucrando ou fazendo algo significativo com uma “ideia média”, recomendo que você pare e pense melhor. Afinal, o tempo passa e talvez você esteja esperando por algo que, mesmo que chegue, seja absolutamente inviável.

E aí, vamos dar uma chance as ideias possíveis de serem realizadas?

0 comentários

Deixe seu comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *